Diretores da Compesa monitoram obra da Adutora do Agreste em Pesqueira

Os diretores de Interior e de Meio Ambiente da Compesa, Marconi Azevedo e Aldo Santos, acompanharam nesta sexta-feira (23), em Pesqueira, o serviço de substituição de cem metros de tubulação da Adutora do Agreste, que estourou semana passada, às margens da BR-232. O trabalho está em ritmo acelerado para que o município volte a receber água do Rio São Francisco, a partir da interligação da Adutora do Moxotó com a Adutora do Agreste, e para que tenha início a fase de testes do trecho de 30 quilômetros entre Pesqueira e Belo Jardim.

A expectativa é que a substituição de parte da tubulação seja finalizada até o final de novembro. A água do Rio São Francisco chegará em um momento crucial para Belo Jardim e demais municípios abastecidos pelo Sistema Bitury: Sanharó, Tacaimbó e São Bento do Una. A barragem, que tem capacidade para acumular 17 milhões de metros cúbicos de água entrou em pré-colapso esta semana.

Ao todo, dez municípios do Agreste serão beneficiados pela água do Rio São Francisco através da interligação da Adutora do Moxotó com a Adutora do Agreste. Arcoverde já está com o fornecimento regularizado e livre do colapso. Pesqueira, Belo Jardim, Sanharó e Tacaimbó serão os próximos beneficiados.

A Compesa investiu 85 milhões de reaus na construção da Adutora do Moxotó, que capta água do Rio São Francisco direto da Barragem de Rio da Barra, em Sertânia, e se une à Adutora do Agreste, em Arcoverde.

Durante a inspeção, a diretoria da Compesa esteve acompanhada do deputado Estadual Aluísio Lessa, do ex-prefeito de Belo Jardim, João Mendonça, de lideranças e de representantes do parque industrial de Belo Jardim que também dependem da água para garantir a produção.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

scroll to top
error: O conteúdo está protegido !!