Crise agrava saúde pública no Agreste de Pernambuco – Rádio Liberdade
Destaques Notícias Últimas Notícias

Crise agrava saúde pública no Agreste de Pernambuco

Presidente do Cremepe, André Dubeux (Foto: Jedson Nobre/Arquivo Folha)

Superlotação, falta de médicos, ausência de leitos de retaguarda e débito milionário com o Samu. Esse foi o diagnóstico do Conselho Regional de Medicina (Cremepe) sobre a gestão hospitalar do Estado na regional de saúde de Caruaru, que abrange cerca de 30 cidades do Agreste e onde os pacientes têm sofrido com a falta de infraestrutura da rede. A instituição médica solicitou uma audiência com o Ministério Público (MPPE) na última semana e, nesta terça-feira (12), o promotor Giovani Leite deve apresentar a ata para ajustes dos problemas com a Secretaria Estadual de Saúde e outros agentes envolvidos.

O presidente do Cremepe, André Dubeux, elencou quatro pontos que considera mais graves na região. O primeiro é a falta de médicos em vários municípios – principalmente nos finais de semana – o que tem levado diversas vezes os profissionais do Samu a se tornarem a única referência em saúde para os moradores. O segundo é que macas e ambulâncias têm ficado retidas com frequência nos hospitais Mestre Vitalino (HMV) e Regional do Agreste (HRA), em Caruaru, diante da falta de leitos próprios para atender os doentes na emergência.

O presidente do conselho ainda complementou que, diante do grande volume de pacientes nos dois hospitais, virou rotina segurar as ambulâncias, prejudicando o fluxo de transferências. “Os veículos ficam parados enquanto se avalia o paciente ou se há vaga para o doente que já foi referendado pela central de leitos para aqueles hospitais. Com isso, como a maioria das unidades hospitalares do interior só têm um médico, este profissional que acompanha a transferência fica de quatro a seis horas fora da cidade de origem, deixando a população desassistida”, contou.

Por último, a crítica mais forte do conselho diz respeito à inexistência de leitos hospitalares de retaguarda para o HMV e HRA, o que impacta diretamente na superlotação dessas unidades. “Os hospitais não têm para onde mandar os pacientes quando saem da urgência e não raro um leito da emergência fica de 10 a 15 dias ocupado pela mesma pessoa”, apontou Dubeux.

Hospital Regional do Agreste

Hospital Regional do Agreste – Crédito: Hesíodo Góes/Arquivo Folha

 

Para diminuir a grande demanda sobre os hospitais estaduais na região, a Secretaria Estadual de Saúde (SES) informou que está trabalhando na qualificação dos hospitais regionais de Garanhuns (Dom Moura) e de Arcoverde (Ruy de Barros Correia) para aumentar a resolutividade e encaminhamento de pacientes a essas unidades, além de dialogar com os municípios da região para otimizar a rede de atenção à saúde. Também informou que há contratualização de 60 leitos de retaguarda para o Agreste, no Hospital Jesus Pequenino, localizado em Bezerros. Existe a promessa de que até o final deste ano haja o Hospital São Sebastião (HSS), em Caruaru, seja reaberto para o reforço de leitos.

O HRA e o HMV negaram que segurem médicos de outras cidades para cuidar de pacientes transferidos. Sobre a escala de profissionais do HRA, a gestão afirma está se adequando. Este ano,18 concursados foram chamados para reforçar os plantões. Em 2016, a pasta conta que foram realizadas duas convocações de profissionais para a unidade, além de uma seleção pública simplificada para completar os plantões de especialidades.

Hospital Mestre Vitalino

Hospital Mestre Vitalino – Crédito: Alfeu Tavares/Folha de Pernambuco

 

Samu
A falta de envio de verbas do Estado ao Samu Caruaru fez com que o serviço amargasse um prejuízo acumulado de R$ 4,2 milhões em quatro anos. Segundo a prefeitura, o repasse de verbas não acontece desde 2013. A SES disse estar se esforçado para regularizar os repasses o quanto antes. Esclareceu ainda que tem mantido o diálogo com a Prefeitura de Caruaru e o MPPE sobre o andamento dos processos.

Do Portal FolhaPE

 

Deixe seu comentário